Hoje é 16 de abril de 2024 11:32
Hoje é 16 de abril de 2024 11:32

Sem consenso, vereadores batem cabeça para finalizar relatório da CEI da Comurg

Comissão Especial de Inquérito que investiga a Companhia de Urbanização de Goiânia chega ao fim expondo falta de articulação entre os próprios integrantes da Comissão, com denúncia de acordos de bastidores
Ex-diretor de Transportes da Comurg Luiz Carlos Cascão, que ocupou o cargo entre janeiro de 2017 e abril de 2021, presta depoimento na Comissão // Foto: Câmara Goiânia

A Câmara Municipal de Goiânia aprovou nesta quinta-feira (17/8) requerimento que adia a entrega do relatório da Comissão Especial de Inquérito (CEI) que investiga a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) para o dia 31 de agosto. O pedido foi feito pelo presidente da comissão, vereador Ronilson Reis (sem partido), que deseja a apresentação do documento para os titulares da CEI, antes de apresentado para a Casa.

A medida evidencia, mais ainda, a falta de articulação entre os próprios integrantes da Comissão.

“É discricionariedade do relator construir o relatório, mas entendo que o relator tem que apresentar o relatório, antes da apresentação oficial, aos membros da CEI. Quem está falando isso são todos os membros titulares da Comissão”, afirmou Reis ao PORTAL NG.

“O intuito dessa prorrogação é que o relator apresente o relatório para os membros até o dia 25 de agosto e, no dia 31, ele vai apresentar o relatório oficial para ser votado nesta Casa”, completa o parlamentar, pontuando, ainda, que é “salutar” o compartilhamento do relatório com os membros da CEI, para que o documento tenha conteúdo de acordo com o que foi apurado nas investigações.

“Espero que seja feito um relatório eficiente, contundente, e que possa apontar as dificuldades que têm na Companhia, com base naquilo tudo que foi apontado, depoimentos, documentação, durante os trabalhos da CEI”, complementou.

“Vejo que há indícios de má gestão, de irregularidades como pagamentos adiantados, uma série de situações que têm de ser analisadas pelo relator”, finalizou.

Segundo o relator da CEI da Comurg, vereador Thialu Guiotti (Avante), o relatório da investigação já está pronto e seria apresentado na quinta-feira (17), caso não o prazo não fosse adiado. Entretanto, ele garantiu que o texto não será apresentado de maneira prévia antes da divulgação oficial para todos os vereadores.

“Qual CEI você viu algum relatório sendo apresentado de alguma maneira prévia?”, questiona o parlamentar.

Guiotti acrescenta que no dia da apresentação oficial, os membros da comissão poderão sugerir emendas para o relatório, além de votaram pela aprovação ou não do texto.

“Cabe a mim a relatoria, não é uma relatoria coletiva, o que fiz de maneira clara e transparente foi dar a oportunidade a cada vereador de apresentar as suas sugestões”, pontua, ressaltando que qualquer adição precisa ser votada para entrar no relatório.

O relator adianta que o relatório vai trazer pontos específicos que causaram a instalação da CEI, como repasses de recursos para o IMAS, INSS, FGTS e adiantamento de recursos públicos para pagamento de obras. Segundo ele, seu relatório não será definitivo, já que pode ser alterado pelos parlamentares.

Membro da CEI da Comurg, o vereador Henrique Alves (MDB) defende que o presidente da comissão convoque uma nova reunião para tratar a respeito do impasse e que o relatório seja disponibilizado para os demais membros da comissão.

“É necessário ter acesso ao relatório para sejam feitos pedidos de alteração, para que se concorde ou discorde do texto, ou até mesmo para fazer um pedido de um relatório paralelo, que é legítimo”, argumenta Henrique Alves, que é presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Questionado, o líder do prefeito, Anselmo Pereira (MDB), deixou os parlamentares aliados do Paço livres para a votação.

Sargento Novandir: ‘O que ocorreu na Comissão foi um fracasso’

Para o vereador Sargento Novandir (Patriota, foto) a mudança de data se trata de uma tentativa de ampliação das negociações com a prefeitura. Para ele, a CEI pode terminar em pizza.

“Infelizmente não resolvemos nada. Resolvemos o problema e a vida dos vereadores. Isso me deixa revoltado. Espero que o povo goianiense possa entender que o que ocorreu na Comissão foi um fracasso”, disse o parlamentar, que não é membro da CEI.

“Uma CEI que começou de maneira correta e poderia trazer resultado para o povo goianiense. Tudo no meio do caminho se perdeu. Sabe de que maneira irá terminar? Em pizza!”, questionou, citando, ainda, barganha e negociação de cargos para vereadores na prefeitura.

Já o vereador Welton Lemos (Podemos) acredita que o relatório terá sugestões e punições.

“Do contrário a gente precisa rever posições”, diz, acrescentando que pode apresentar emendas ao relatório.

Também ao PORTAL NG, o vereador Igor Franco (Solidariedade) considera natural as divergências no Parlamento.

“Acredito no trabalho que a Câmara Municipal está fazendo e também no trabalho do prefeito Rogério Cruz. Então tenho certeza que será dada a resposta que a sociedade precisa”, frisou.

Compartilhar em:

Notícias em alta