Hoje é 18 de abril de 2024 13:06
Hoje é 18 de abril de 2024 13:06

‘Realidade do crime hoje intimida o Brasil, mas não Goiás’, diz Caiado em evento da Polícia Civil

Durante fala em solenidade com aprovados no último concurso público realizado pela corporação, governador entregou armas e equipamentos de segurança, no valor de R$ 12,9 milhões
Ronaldo Caiado em evento na Escola Superior da Polícia Civil: “Sem segurança pública, não existe Estado Democrático de Direito, liberdade, economia de mercado, não existe sequer a condição do cidadão sobreviver” // Fotos: Júnior Guimarães e Wesley Costa

O governador Ronaldo Caiado voltou a exaltar o trabalho das forças de segurança pública do estado, que, segundo ele, garantem a ordem e a paz em território goiano. O governador esteve em evento de formação de novos policiais civis, nesta quarta-feira (4/10), na Escola Superior da Polícia Civil (ESPC), em Goiânia.

“Nossas polícias estão integradas e têm tecnologia, informação e formação de policiais preparados para enfrentar a realidade do crime que, hoje, intimida o Brasil, mas não Goiás”, ressaltou Caiado.

A ESPC recebe 1.017 alunos aprovados no último concurso público da Polícia Civil em curso de formação, que deve efetivar novos policiais para os quadros da corporação no próximo mês. Ao lado da primeira-dama Gracinha Caiado, o governador entregou 4,6 mil equipamentos à corporação, com investimento de R$ 12,9 milhões.

“É a segurança que produz emprego, que responde em termos de renda, melhoria na qualidade de vida”, defendeu o governador ao reportar a prioridade em entregar equipamentos de ponta e aumentar o efetivo policial.

“Sem segurança pública, não existe Estado Democrático de Direito, liberdade, economia de mercado, não existe sequer a condição do cidadão sobreviver. Veja hoje o que acontece em Goiás e a diferença no Brasil”, comparou.

O vice-governador Daniel Vilela reforçou que a qualidade do trabalho em segurança pública projeta o estado nacional e internacionalmente: “Goiás, por se destacar tanto nos últimos anos na redução da criminalidade, mas, principalmente, na garantia da segurança do povo goiano, é também um estado muito observado e até invejado por tudo o que aqui é feito”, declarou.

A cúpula da Secretaria de Segurança Pública, liderada pelo titular da pasta, Renato Brum, também participou da solenidade.

“Temos armamentos, equipamentos e esse material humano, que é o reforço das fileiras de todas as corporações de segurança pública. É fundamental para a gente continuar reduzindo o crime e tendo a melhor segurança pública do Brasil”, afirmou ao sintetizar que o policial é o “primeiro escudo contra a criminalidade”.

Segundo o Governo estadual, o reforço no efetivo deve garantir a ampliação das ações da Polícia Civil, que hoje conta com cerca de 3 mil profissionais, afirmou o delegado-geral da instituição, André Ganga.

“Hoje esses concursandos que estão aqui representam mais de 30% do nosso efetivo atual. É um incremento real e efetivo nas nossas trincheiras da PC, não só aqui na capital, mas para todas as regionais do interior para fortalecer as operações e investigações”.

Corporação recebe armamento e coletes balísticos

Na ocasião, o governador fez ainda a entrega simbólica de 1.461 coletes balísticos e 1.050 pares de algemas, além de 1.653 pistolas, 142 espingardas, 200 fuzis e 10 submetralhadoras Sig Sauer. Os equipamentos equivalem a um investimento no valor de R$ 12,9 milhões.

O curso de formação, iniciado em agosto, prepara os futuros integrantes das forças policiais, com diversos conteúdos, como prerrogativas dos policiais, técnicas de investigação, manuseio de arma de fogo e aulas de tiro. Este é o maior curso já realizado na história da corporação e possui caráter eliminatório, com mais de 11 mil horas de aula na grade.

 “Esses números, para além de meras estatísticas, refletem o compromisso inabalável com a segurança e a justiça no nosso estado”, avaliou a diretora da Escola Superior da Polícia Civil, Tatiane Gonçalves Cruvinel.

As turmas são compostas por aspirantes a agentes, escrivães, papiloscopistas e delegados e passam por instruções na Escola Superior da instituição, em Goiânia, com previsão de formatura em novembro. Na expectativa de concluir a formação e ingressar na corporação, Renata Pereira da Silva, 25 anos, natural de Brasília, acredita que a carreira pode somar para o bem coletivo.

“Sempre foi meu sonho. Acredito que seja uma das funções mais importantes da nossa sociedade, de manter a ordem, de estar presente, de investigar e sempre contribuir muito com a população”, relatou a futura policial.

Compartilhar em:

Notícias em alta