Hoje é 16 de abril de 2024 11:49
Hoje é 16 de abril de 2024 11:49

Pablo Marçal é alvo de operação que apura crimes de falsidade ideológica eleitoral

O coach e seu sócio são investigados por fazer doações milionárias às campanhas de 2022, sendo que boa parte desses valores foi remetido posteriormente às empresas das quais são donos
Pablo Marçal alega estar sofrendo perseguição política por ter apoiado o ex-presidente Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução

O coach Pablo Marçal foi alvo nesta quarta-feira (5/7) de uma operação da Polícia Federal que apura crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita eleitoral e lavagem de dinheiro ocorridas durante as eleições de 2022.

As investigações apontaram que ele e o sócio realizaram doações milionárias às campanhas, sendo que boa parte desses valores foi remetido posteriormente às empresas das quais são donos.

Ainda de acordo com a PF, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados e nas sedes das empresas supostamente envolvidas.

No pleito do ano passado, Marçal foi pré-candidato do PROS à Presidência da República. Após conflitos internos na legenda, ele mudou o registro da candidatura para deputado federal.

Segundo a PF de São Paulo, a operação chamada de Ciclo Fechado foi deflagrada nos municípios paulistas de Barueri e Santana de Parnaíba. 

“Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados e nas sedes das empresas supostamente envolvidas”, confirma a PF.

Nas redes sociais Pablo Marçal disse que a operação “trata-se de uma investigação eleitoral sobre as doações lícitas, que movimentamos para usar as aeronaves e veículos de propriedade empresarial do grupo societário que faço parte com o escopo eleitoral”.

Ainda de acordo com ele, a ação é uma “perseguição política engendrada contra a minha pessoa,  fruto do pacote que todos estão sofrendo por terem apoiado o presidente Bolsonaro. Claramente existe uma tentativa de silenciar as vozes daqueles que defendem a liberdade nessa nação”. 

Compartilhar em:

Notícias em alta