Hoje é 20 de abril de 2024 13:18
Hoje é 20 de abril de 2024 13:18

Mesmo com desoneração, postos vendem gasolina em Goiânia com aumento de preço

De acordo com presidente do Sindiposto de Goiás, donos de postos compraram combustível com valores mais alto nas distribuidoras que imaginavam que a desoneração não fosse mantida

Mesmo com a assinatura da Medida Provisória que amplia a desoneração de impostos sobre combustíveis, consumidores que precisaram abastecer os veículos nesta segunda-feira (2/1) encontram o litro da gasolina por até R$ 5,49 em alguns postos de combustível de Goiânia e região metropolitana.

A medida de manter a isenção por 60 dias dos impostos PIS, Cofins e Cide sobre a gasolina, diesel, etanol e gás liquefeito de petróleo foi um dos primeiros atos de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente da República, ainda neste domingo (1/1).

Sem a prorrogação da isenção, os empresários previam aumentos da gasolina, com alta de R$ 0,69, do etanol (R$ 0,26) e do diesel (R$ 0,33).

No entanto, na manhã desta segunda-feira consumidores já encontraram o preço do litro do combustível mais caro. Em algumas regiões, o litro da gasolina pode chegar a R$ 5,49. Já o etanol a R$ 3,99. Até na semana passada, o litro podia ser encontrado entre R$ 4,93 e R$ 3,49, respectivamente. 

De acordo com o presidente do Sindiposto de Goiás, Márcio Andrade, o aumento se dá porque alguns postos compraram combustível com preço mais alto, já que a medida provisória só foi assinada neste domingo.

“Nos sistemas das distribuidoras, os preços dos combustíveis já contemplam o aumento com a inclusão da cobrança dos impostos federais. Mesmo com a assinatura da medida provisória pelo presidente, como não houve a publicação no Diário Oficial da União, esses preços serão faturados para os postos”, explica.

Ele completa ainda dizendo que “só depois da MP está publicada é que as distribuidoras tomarão a providência de retirar esses impostos e voltar a praticar o preço normal. É possível que os postos reajustam os preços por estar adquirindo com os preços mais caros”.

Compartilhar em:

Notícias em alta