Hoje é 16 de abril de 2024 12:05
Hoje é 16 de abril de 2024 12:05

Mais sete jogadores são investigados por manipulação de jogos de futebol

Ministério Público apura quadrilha especializada em aliciar atletas para favorecer apostas; ex-jogador do Goiás está entre os nomes denunciados
Caso é investigado pelo Ministério Público de Goiás | Foto Reprodução

Mais sete jogadores foram denunciados pelo Ministério Público de Goiás por suspeita de manipulação de resultados de jogos, de acordo com a revista Veja. Ao menos 14 pessoas foram denunciadas nesta quarta (19/07), mas cerca de metade dos nomes se repetem em relação a outras duas denúncias já feitas, que tramitam na Justiça de Goiás. São investigadas manipulações como receber cartões intencionalmente e provocar pênaltis, para favorecer apostas.

Nas apurações, são investigados tanto a organização criminosa por trás do esquema quanto os jogadores aliciados. Dentre estes, segundo a revista, está o meia-atacante Dadá Belmonte, que atuava no Goiás em 2022, quando ocorreram os jogos investigados pelo MP-GO no Campeonato Brasileiro. Dadá Belmonte hoje é contratado pelo América-MG, mas não joga desde abril por causa de lesão. Partidas de 2023 também são investigadas, mas de campeonatos estaduais.

Os atletas denuncionados nesta quarta apareceram em prints de conversas entre jogadores e apostadores. Outro dentre os denunciados agora, de acordo com Veja, é o lateral esquerdo Pedrinho, que joga pelo Shakhtar Donetsk desde que teve contratado rescindido em maio pelo Athletico-PR. Igor Carius, ex-Cuiabá e hoje no Sport; Alef Manga, do Coritiba; Jesus Trindade, que está no Pachuca e estava no Coritiba em 2022; Sidcley, que está no CSKA 1948 e estava no Cuiabá em 2022; e Thonny Anderson, do ABC e que estava no Coritiba em 2022, também estão todos na lista de denunciados.

Alguns jogadores fizeram acordos de não-persecução com o MP-GO. Assim, eles assumem o que fizeram, pagam multa e desta forma não são denunciados. Os que fizeram acordo são: Vitor Mendes, hoje é do Fluminense, mas no Juventude em 2022; Bryan Garcia, que estava no Athletico-PR; Nino Paraíba, afastado do América-MG, Ceará em 2022;  Diego Porfírio, ex-Coritiba, hoje no Guarani; e Sávio, ex jogador do Goiás e hoje do Rio Ave, em Portugal.

A Operação Penalidade Máxima II, deflagrada em abri, é um desdobramento da Operação Penalidade Máxima, deflagrada em fevereiro de 2023, e que resultou no oferecimento de denúncia, já recebida pelo Poder Judiciário, com imputação dos crimes de integrar organização criminosa e corrupção em âmbito desportivo.

“A investigação indica que as manipulações eram diversas e visavam, por exemplo, assegurar a punição a determinado jogador por cartão amarelo, cartão vermelho, cometimento de penalidade máxima, além de assegurar número de escanteios durante a partida e, até mesmo, o placar de derrota de determinado time no intervalo do jogo. Há indícios de que as condutas previamente solicitadas aos jogadores buscavam possibilitar que os investigados conseguissem grandes lucros em apostas realizadas em sites de casas esportivas, utilizando, ainda, contas cadastradas em nome de terceiros para aumentar os rendimentos”, afirmou a assessoria de imprensa do MP-GO à época.

Compartilhar em:

Notícias em alta