Hoje é 16 de abril de 2024 11:30
Hoje é 16 de abril de 2024 11:30

Ex-secretário de saúde de Senador Canedo é alvo de operação da PF por desviar dinheiro durante pandemia

Investigações apontaram que o crime aconteceu na antiga gestão; suspeito teria feito contratações irregulares, com a colaboração de uma empresa que não teve o nome divulgado
Segundo a PF, por envolver a aplicação de verbas federais, como recursos do SUS, houve a fixação da competência da Justiça Federal | Foto: Governo de Goiás

Um ex-secretário de saúde de Senador Canedo foi alvo nesta quarta-feira (6/7) de uma operação da Polícia Federal que apura desvio de dinheiro público durante a pandemia de Covid-19. Ao todo, quatro de busca e apreensão em Aparecida de Goiânia, Goiânia e Senador Canedo.

De acordo com a PF, os crimes teriam acontecido durante o ano de 2020, na antiga gestão. As investigações apontaram que a empresa que fornecia os produtos médicos não atuava neste segmento, mas era vinculada a uma pessoa próxima ao então secretário de Saúde. 

A investigação mostrou ainda que a empresa foi contratada por meio de dois procedimentos de dispensa de licitação direcionados, por um valor de aproximadamente R$ 1 milhão.

Ainda segundo a Polícia Federal, os crimes começaram a ser investigados que a Procuradoria Geral do Município de Senador Canedo procurou a Polícia Civil. A comunicação feita à instituição envolvia suspeitas de fraudes nos procedimentos de dispensa de licitação para fazer contratações emergenciais para adquirir materiais e serviços destinados ao combate da pandemia.

A operação, chamada de “Operação Teste Rápido” indicou que outros agentes públicos municipais também se envolveram no esquema em Aparecida e Goiânia. O nome deles não foi divulgado. Segundo a PF, por envolver a aplicação de verbas federais, como recursos do SUS, houve a fixação da competência da Justiça Federal.

Por meio de nota, a Prefeitura de Senador Canedo explicou que os fatos investigados na operação se referem à gestão anterior, que acabou em 2020. A prefeitura disse também que contribui com a investigação 

Compartilhar em:

Notícias em alta