Hoje é 16 de abril de 2024 11:34
Hoje é 16 de abril de 2024 11:34

Dez cidades goianas entram em estado de alerta por causa da Covid-19 

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, neste mês de agosto houve um salto de 9% para 15% na taxa de positividade para a doença em Goiás
Profissionais de saúde afirmam que vacinação é a principal ferramenta para combater a Covid-19 | Fotos: Divulgação

Dez cidades goianas estão em situação de alerta após aumento de casos de Covid-19. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), neste mês de agosto houve um salto de 9% para 15% na taxa de positividade para a doença em Goiás.

A superintendente de Vigilância em Saúde, Flúvia Amorim, reitera que o caminho para combater a Covid-19 ainda é o mesmo: seguir os protocolos sanitários, sendo que o principal é a vacinação.

A Cidade de Goiás está entre os municípios que apresentaram aumento expressivo de notificações da doença. A Secretaria Municipal de Saúde, informou que o número de casos confirmados subiu de 24 para 75, o que representa um crescimento de 212%.

Todavia, a secretária municipal de saúde da Cidade de Goiás, Ivone Marques, ressaltou que não há nenhum caso de internação e nenhum caso grave, ou de maior complexidade. 

“Em todos os casos que apresentaram maior gravidade ou que o paciente teve um tempo maior de sintomas, não foi diagnosticada nenhuma cepa diferente, às vezes apenas um comprometimento de H1N1 associado”, pontuou.

A cidade de Avelinópolis também teve um salto expressivo no número de confirmações, saindo de 20 casos, em uma semana, para 50, na semana seguinte, o que representa um aumento de 150%.

Os demais municípios que também estão em estado de alerta são: São João da Paraúna, Palmeiras de Goiás, Santa Rosa de Goiás, Araçu, Campo Limpo de Goiás, Barro Alto, Heitoraí e Anicuns.

Notificações dos casos 

A superintendente de Vigilância em Saúde da SES-GO, Flúvia Amorim, também destacou que esse cenário mostra a importância de que os municípios ajudem com as notificações de casos.

“Só conseguimos identificar mudanças no padrão de doenças se há os dados no sistema”, disse Flúvia Amorim.

Agora, a SES aguarda o sequenciamento genômico realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para entender qual é a subvariante da Covid-19 predominante no Estado. Em julho de 2023, as linhagens mais frequentes, em nível nacional, eram a XBB (60,4%) e a FE.1 (36,5%).

Cobertura vacinal está baixa 

Segundo Flúvia Amorim, até o momento, foram aplicadas 714.233 doses do imunizante bivalente no estado, o que representa uma cobertura vacinal de apenas 12%. Vale lembrar que a vacina bivalente promove a imunização para novas variantes do coronavírus, além da cepa original.

“Esse número é muito aquém do que a gente precisa. Então, a gente vem aqui chamar todos os goianos com 18 anos ou mais e que ainda não receberam a vacina bivalente para que procurem um posto de vacinação. Mesmo que tenhamos novas subvariantes, novos aumentos de casos, a gente vai ter uma população mais protegida contra formas graves e óbitos”, finalizou Flúvia Amorim.

Compartilhar em:

Notícias em alta