Hoje é 16 de abril de 2024 10:54
Hoje é 16 de abril de 2024 10:54

Ao ser empossado, Caiado reforça compromisso de combater pobreza e fortalecer a educação

"Esperem o esforço diário com a construção de soluções", enfatizou governador no discurso de posse que trouxe os rumos da próxima gestão por mais quatro anos à frente do Governo de Goiás, com Daniel Vilela também empossado como vice-governador

Ao ser empossado neste domingo (1°/1) para o segundo mandato à frente do Executivo goiano, em solenidade na Assembleia Legislativa de Goiás, em Goiânia, o governador Ronaldo Caiado reiterou o compromisso de trabalhar para a parcela mais vulnerável da população e de fortalecer a emancipação social.

“Estou aqui hoje unicamente pelo desejo da população e pela importância da democracia, a quem reafirmo meu compromisso. Estou aqui hoje muito mais comprometido com Goiás do que estava em 1º de janeiro de 2019. Estou aqui hoje para seguir com o compromisso popular de romper o ciclo da pobreza e fazer um Estado que se fortaleça pela educação”, ressaltou em discurso.

A sessão solene marcou o início da nova gestão, que segue até 5 de janeiro de 2027, nova data estabelecida, após emenda à constituição, para posse dos futuros governadores. Neste domingo, Caiado estava acompanhado da primeira-dama do Estado, presidente de honra da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), Gracinha Caiado; de suas filhas Anna Vitória e Marcela, que entregaram a faixa governamental ao pai.

“Esperem o esforço diário com a construção de soluções, e não com a construção de muros. De mim, esperem pontes para atravessar”, afirmou.

Pactuado com a proteção aos mais vulneráveis, o novo mandato prometeu trilhar um caminho de emancipação.

“A cidadania verdadeira deve ser conhecida desde o primeiro dia de vida. Mas cidadania é autonomia, é independência, jamais será herdar um cartão de transferência de renda”, ressaltou o governador.

“A herança que nosso governo quer deixar é a aprendizagem, vagas de emprego, cursos profissionalizantes e acesso ao nível superior”, sublinhou.

“Governar é unir esforços. É a união, independente de posicionamentos políticos, que pode e vai levar Goiás a avançar ainda mais”, pontuou Caiado ao afirmar que vai fortalecer a conduta de diálogo com prefeitos, estados e governo federal, em especial na área social, em que pretende atuar de forma complementar.

Caiado situou o atual momento que Goiás vive e projetou os próximos passos para os quatro anos que terá à frente do Executivo estadual.

“O principal desafio é fazer de Goiás o melhor lugar possível para se viver, para trabalhar, educar os filhos e construir o futuro das famílias”, defendeu.

Outro compromisso é minar ainda mais a criminalidade e melhorar a aprendizagem na educação. Para tanto anunciou que vai criar um prêmio para alunos com boas notas em matemática e português.

No planejamento, o governador destacou ainda a construção do Hospital do Câncer, aplicação do Fundo de Infraestrutura e metas para ações sociais.

“É fundamental estabelecer metas sociais, educacionais e de diminuição progressiva da desigualdade para Goiás ter a certeza de que seu futuro será próspero. As famílias devem acreditar que são protagonistas na mudança que tanto querem”, ressaltou.

Governador relembra desafios do 1º mandato

Vitorioso no pleito realizado no último dia 2 de outubro, Caiado, de 73 anos, natural de Anápolis e médico ortopedista, foi diplomado governador reeleito em 19 de dezembro também remotamente. Ao usar a palavra, o governador agradeceu à equipe médica e aos goianos pelas orações que recebeu em função do seu quadro atual de saúde.

“Estou me recuperando bem e em breve estarei no batente do dia a dia”, acrescentou.

Em discurso, Caiado relembrou os desafios que enfrentou ao ingressar na administração estadual.

“Em 2019, não assumi apenas o prestígio e a honra de governar para 7 milhões de goianos. Assumi, sobretudo, a responsabilidade de enfrentar e apresentar soluções aos problemas do Estado”, relembrou, dizendo ainda que “por 20 anos o dinheiro público foi para o ralo da corrupção”.

Caiado citou casos emblemáticos e que geraram a necessidade de um processo que chamou de “assepsia” no Estado, como a reformulação da antiga Agetop, a obra do aeroporto de Anápolis e a venda da Celg Distribuidora.

O governador lembrou também da necessidade de corrigir rumos e suprir carências em todas as áreas.

“A vida no interior era uma atividade de alto risco, já que a qualquer acidente não era dada a oportunidade [do morador] de ser atendido na região”, disse ao frisar que consolidou a regionalização da saúde com salto no número de UTIs de 244, concentrados em três municípios, para 868 leitos, além da instalação de hospitais regionais e seis policlínicas.

Falou sobre avanços na educação, redução dos índices de criminalidade e restabelecimento da política de valorização das forças de segurança pública; pontuou investimentos de R$ 4,6 bilhões na área social, com recursos do Fundo Protege, um acréscimo de 669% em mais de 70 programas.

“Quando o dinheiro é bem administrado nós podemos levar dignidade a todos os goianos”, concluiu.

Em tom de gratidão pelo respaldo encontrado entre pares, especialmente chefes de Poderes e parlamentares, Caiado salientou que Goiás foi o primeiro Estado a aderir ao Regime de Recuperação Fiscal e renegociar dívidas.

“Saímos de um Estado de calamidade financeira, com salários atrasados e mais de 4,6 mil fornecedores com dívidas vencidas”, comentou.

Depois de lembrar que chegou ao governo herdando uma dívida de R$ 6 bilhões, com apenas R$ 11 milhões de saldo no caixa do Estado, o governador comemorou: “Chegamos hoje superando todas as metas, atingindo uma situação nunca antes vivida no Estado de Goiás, com todas dívidas quitadas, salários pagos dentro do mês, consignados em dia, duodécimo aos poderes sem nunca ter atrasado”.

Oposição aponta fragilidades e pede adoção de políticas sociais

Discursando em nome da oposição, o deputado estadual reeleito Antônio Gomide (PT) destacou, durante a cerimônia de posse de Caiado, a fala do governador do estado em defesa da democracia no País. E apontou o que considera fragilidades do mandato que se encerrou, com destaque para as políticas sociais de combate à miséria, as obras de infraestrutura, a valorização do funcionalismo público e da Universidade Estadual de Goiás (UEG).

“Foi uma fala importante e necessária nesses tempos de intolerância. O momento exige diálogo de toda a classe política, independentemente de ideologia e cor partidária para podermos defender a democracia no Brasil e também aqui em Goiás”, ponderou.

Em seguida, pontuou áreas que, em seu ponto de vista, necessitam de melhorias em Goiás, com destaque ao controle de dívidas herdadas, já equacionadas, com crédito de R$ 10 bilhões no Tesouro do Estado.

“Esse superávit é o resultado do reajuste fiscal, fruto da renegociação da dívida de Goiás com o Governo Federal, pelo prazo de 30 anos do Regime de Recuperação Fiscal, a que o seu governo fez opção”, disse.

“O momento agora é oportuno para que, neste segundo mandato, o compromisso seja com o resgate do déficit social, por um Governo com mais investimentos e mais realizações”, salientou.

Antônio Gomide expôs, em seu primeiro tópico, a segurança alimentar. “Faço aqui um apelo para que considere, como meta número 1 deste novo mandato, criar um programa de renda mínima para Goiás”, frisou, com a afirmativa de que Goiás pode fazer a diferença, sendo decisivo na tarefa de colocar comida no prato do cidadão.

O petista evidenciou, também, a necessidade da valorização dos servidores públicos goianos.

“Entendo que o superávit alcançado nas contas do Governo nesse momento, deve servir para garantir, também, anualmente, a reposição das perdas salariais dos servidores públicos, pois esse é um direito conquistado por eles”, disse. Gomide solicitou, ainda, que o governador Ronaldo Caiado possa, em seu segundo mandato, devolver a titularidade dos professores.

O petista pediu ainda valorização da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e seus professores e destacou a importância da parceria com a União, para a construção e entrega de habitações àqueles que necessitam. E fez um apelo para que a Companhia de Saneamento de Goiás (Saneago) não seja privatizada.

“A Saneago é uma empresa estatal, superavitária, que oferece serviços essenciais à população, principalmente aos mais pobres. A defesa do subsídio cruzado é a forma mais justa para levar saneamento aos menores municípios de Goiás.”

Bruno Peixoto elogia redução de gastos e reformas estruturais

Também em discurso, o líder do Governo no Legislativo, deputado Bruno Peixoto (UB), ressaltou que os quatro anos de Governo Ronaldo Caiado foram “atípicos, intensos e desafiadores” desde o momento em que ele assumiu o cargo, com duas folhas em atraso e débito orçamentário superior a R$ 300 milhões por mês.

“Esse foi o estado que Ronaldo Caiado assumiu. Mas o nosso governador trabalhou muito. Reduziu gastos, otimizou custos e promoveu reformas estruturais que levaram ao equilíbrio fiscal que se encontra hoje”, disse, citando que a vitória de Caiado no primeiro turno demonstra reconhecimento da gestão de Caiado.

Para Bruno, num dos momentos de maior dificuldade, a pandemia da covid-19, foi quando sobressaiu a liderança de Ronaldo Caiado, que tomou medidas acertadas de prevenção.

“Ficamos fragilizados com a perda de parentes e amigos que deixaram um legado de trabalho e amor pelo nosso estado, entre eles amigos, como Maguito Vilela, que hoje empresta seu nome a este Palácio, e o deputado estadual Iso Moreira, um baluarte desta Casa. Também perdemos servidores que trabalhavam conosco”, lembrou.

O líder do Governo destacou o trabalho do governador na área da saúde, ressaltando a regionalização do atendimento, com investimentos em novos hospitais e a expansão de unidades de terapia intensiva.

“Nosso governador priorizou a vida e a qualidade do atendimento, tornando-se referência nacional em gestão nesta área. Assumimos o Governo com 254 leitos de UTI. Hoje são mais de 800 leitos.”

Ele citou, ainda, a construção e implantação de policlínicas em cidades como Posse, Goianésia, Quirinópolis, Formosa e São Luís de Montes Belos, a entrega de hospitais em diversas regiões do estado, além do Hospital da Criança e do Adolescente e do Hospital da Mulher em Goiânia.

Bruno Peixoto falou ainda sobre investimentos na educação e sobre alteração na Constituição do Estado promovida pelo governador, o que agora possibilita a reposição do índice inflacionário nos salários dos servidores do estado. No setor de Segurança Pública, o deputado afirmou que Goiás é líder em ações de combate à criminalidade no País.

Bruno Peixoto explanou, ainda, sobre melhorias em relação à UEG e na área de infraestrutura, com a recuperação da malha viária do estado e de ruas de mais de 200 cidades com o programa Goiás em Movimento.

Compartilhar em:

Notícias em alta