Hoje é 18 de abril de 2024 14:54
Hoje é 18 de abril de 2024 14:54

Advogado de Alexânia foi morto por cliente que descobriu caso da mulher com o profissional

Polícia chegou ao autor do homicídio por meio de mensagens entre a vítima e o cliente, que marcaram encontro; suspeito responde a processo por tráfico de drogas e teria ficado sabendo da traição na noite anterior ao crime
Charlesman da Costa Silvano era primo do prefeito da cidade goiana localizada no Entorno do Distrito Federal e assessor jurídico da prefeitura: morto a tiros // Foto: Reprodução/rede social

O advogado Charlesman da Costa Silvano, de 37 anos, foi morto por um cliente que descobriu caso da mulher com ele. A informação foi obtida pela Polícia Civil em depoimento da própria mulher do autor do homicídio. Charlesman era primo do prefeito da cidade goiana localizada no Entorno do Distrito Federal e assessor jurídico da prefeitura. Ele foi morto a tiros na manhã de sábado (12/8), em Alexânia.

Segundo apurado até o momento pela polícia Charlesman era advogado de defesa do suspeito do homicídio, Gilberto Gomes de Oliveira, em uma série de processos na Justiça, sendo o mais recente referente a envolvimento do cliente com o tráfico de drogas, ainda sem sentença. Por isso, os dois mantinham contato, para tratar desses assuntos. Segundo a esposa do cliente, o homem sempre sentiu ciúmes dela com o advogado.

Na noite de sexta-feira (11), durante discussão de casal, a mulher revelou ao companheiro que teve um caso amoroso com Charlesman. A traição teria ocorrido em 2019, quando o cliente cumpria pena na cadeia. A mulher disse que, após a revelação, Gilberto ficou “transtornado” e “passou a noite cheirando cocaína”.

Na manhã seguinte, sábado (12), ele combinou de se encontrar com Charlesman no Setor Clube Nova Flórida. Quando chegou ao local, por volta de 9h, surpreendeu o advogado com disparos de arma de fogo e fugiu.

O registro da troca de mensagens entre Gilberto e Charlesman, encontrada no celular do advogado, foi uma das principais evidências da autoria do crime. Além disso, uma testemunha informou ter visto um homem de jaqueta preta em motocicleta de cor vermelha efetuando os disparos. Charlesman foi assassinado com mais de 10 tiros.

Policiais então foram em busca do suspeito de cometer o crime. Na casa da mãe de Gilberto, foi encontrada a motocicleta descrita pela testemunha. O homem tentou resistir à prisão, empurrando um dos militares e apontando uma faca. Porém, os policiais atiraram na perna dele e o levaram preso. No endereço, a polícia também encontrou 61 munições, celulares e a roupa usada no momento do crime.

O suspeito disse que a arma do crime estava com um amigo, e indicou o endereço aos policiais. Quando a equipe da PM chegou ao local, foi recebida a tiros por quatro indivíduos, sendo dois deles identificados como Zacarias da Costa e João Pedro Gomes. No confronto, um dos suspeitos conseguiu pular um muro e fugir, os outros três foram alvejados e um morreu.

Segundo a polícia, a suspeita é que todos façam parte de uma organização criminosa. Com os homens, foram apreendidas três pistolas, bem como porções de maconha e cocaína.

A prefeitura de Alexânia decretou luto oficial de três dias. Em nota, a Ordem dos advogados do Brasil (OAB/GO) disse ser inaceitável que, “um dia após o 11 de agosto, data em que se comemora a essencialidade da advocacia para o sistema social e de Justiça, mais um colega tenha sido vítima de um crime bárbaro e carregado de extrema violência”. Além disso, a ordem ressaltou que todas as instâncias competentes foram acionadas para solicitar providências e espera a punição dos culpados.

Também por nota, a OAB Goiás, disse estar consternada com a notícia da morte do advogado e repudiou o ocorrido em Alexânia. A ordem se solidarizou com a família e cobrou o máximo empenho para os esclarecimentos necessários.

Compartilhar em:

Notícias em alta